Web,ruby, Ajax ou qualquer outra coisa que me venha a cabeça (com prioridade para esta última)

12 fevereiro, 2008

Cheias em Angola

Olhando hoje para a primeira página do Jornal de Angola até parece não se passar nada fora do vulgar. No entanto no sul e sudeste do país há locais inundados sendo que Onjiva é um desses locais (9000 deslocados). Para saber o que se passa aconselho a clicar na secção regiões. As cheias terão começado quarta-feira passada e pelos vistos vão prolongar-se durante mais algum tempo.

A notícias das cheias foi do meu conhecimento através de um artigo de um jornal sul-africano. Prioridades...

5 comentários:

xistosa disse...

Angola, o país com mais potencialidades de parcerias, fugiu-nos por entre mãos ...
A Galp investiu no Brasil, prioridades e oportunidades.
Nam as notícias ecoam por cá.
Não sei que raio de política externa temos para com esta Nação, mas não é agora é talvez do apoio que se deu ao Savimbi, quando nos deveríamos ter mantido neutrais.
Apostámos no cavalo errado.

Cafonso disse...

Não tenho a visão neo-colonial que transparece no seu comentário.

A Galp também investe em Angola os resultados contudo podem não ter a dimensão que tiveram no Brazil.

Mas a questão aqui não é a de investimentos ou de potencialmente termos perdido o comboio é o de num país com um problema interno de uma magnitude humana já significativa, os seus orgãos de comunicação social colocarem a informação referente a esse problema nas páginas interiores.

Claro que pode ver a questão como a coloca, mas realmente não é essa a minha opinião.

xistosa disse...

Sim, concordo que o que escrevi não minora o que sucede em Angola, como, em pior escala em Moçambique.

De um modo geral, os governos da maioria dos países africanos é para se governarem a eles próprios, daí as lutas intestinas e tribais.
Li há poucos meses que o presidente, Eduardo dos Santos, tinha milhões de milhões, são valores que nem dão para acreditar.

Mas se a mulher vai a Londres, no jacto particular do marido fazer compras ...

Como podem ajudar os deslocados das cheias.
O melhor é calar.

Cafonso disse...

Aquilo que eu quiz dizer não tem a haver directamente com corrupção (embora ele grasse) mas sim sobre as prioridades que os jornais dão (ou se sentem "obrigados" a dar) às notícias.

Quanto a boatos não os comento. Não sei se a mulher do Presidente usa ou não um avião particular para ir às compras nem sabia/sei se ele tem um.

xistosa disse...

Leio, o Jornal de Notícias, há mais de 45 anos, todos os dias, sem interrupção, (só quando estive em Angola na tropa).
Como gosto de Espanha, leio o El País, o El Mundo e o Faro de Vigo, todos os dias.
Foi precisamente no El País, há cerca de 1 ano que vi a notícia sobre corrupção em África.
Lá vinha descriminada a fortuna do presidente, que tinha um avião e as viagens que a mulher faz a Londres.
É essa corrupção que impede as notícias do interior de serem divulgadas.
O que fazem ao dinheiro do petróleo, agora que não há guerra?

Já em Moçambique, eu que não dava um chavo pelo Joaquim Chissano, enganei-me redondamente.
Fez obra e não roubou o povo, pelo menos que se conste ...
Já vai longo o testamento.
Cumprimentos