Web,ruby, Ajax ou qualquer outra coisa que me venha a cabeça (com prioridade para esta última)

25 junho, 2007

Conhecimento - Não encontrado

Como eu sou um chato (quase troll ou tendências trollianas) quando me aparecem tais seres por aqui tenho a tendência para me colocar do lado deles e tolerar o facto, por vezes isso conduz a coisas interessantes como por exemplo a do lado.

3 comentários:

xistosa disse...

Será que a física dos chatos é igual à dos humanos?
Se sim, os chatos também se atraem, na razão inversa da ignorância e na directa das respostas!

Cafonso disse...

Não ligue a qualquer remoque meu. Es últimos 3 meses, têm sido um verdadeiro suplício familiar, a minha mãe tem Alzheimer há já cerca de 2 anos (a vida já não era fácil), depois em Abril e em Maio o meu pai foi operado à cabeça, finalmente para colocar a cereja no topo do bolo a minha irmã mais velha foi internada de urgência no domingo estou verdadeiramente irritado e esta foi a forma encontrada de exprimir alguma frustração, só isso.
A ligação que não funcionou no suporte do blogger deu aquilo, fiquei simplesmente aborrecido.

xistosa disse...

Eu fiquei sem mãe aos 6 anos. O meu pai casou com uma irmã dela, (que tratámos sempre por tia, que o era efectivamente).
Morreu com Alzheimer, foram 5 anos, que só quem passa por elas pode testemunhar.
O meu pai numa operação que era rotineira, para debelar uma hérnia, ficou paralisado do lado direito.
Eu vivo nos arredores do Porto.
A minha irmã no Alentejo, apesar de termos nascido no Porto.
Tive, com a minha mulher, de aguentar ...
Ambos morreram há cerca de 10 anos.
Mas ainda hoje, quando falam nos miúdos, (não redes de pedófilia), problemas de crianças, até sorrio.
A qualquer miúdo, qualquer um dá uma ajuda.
Agora o principal problema é o da 3ª idade.
Ninguém ajuda ...
O Alzheimer inferniza a vida duma família, não há apoios dum estado que só é despesista em proveito próprio.
Sei que existe um Associação ou um Grupo de Pessoas que se uniram e prestam apoio aos doentes.
Mas não faço a mínima ideia onde e como contactá-los.
Conheci diversas pessoas com Alzheimer, todas tinham em comum um hábito, NÃO BEBIAM CAFÉ.
Desde 1986, (li no livro, A Farmácia do Povo, escrito por um médico alemão, onde aconselhava a que bebêssemos pelo menos 3 cafés por dia, entre milhentas coisas que agora são notícia).
Tente viver ou sobreviver ...
é o que posso aconselhar.
Veja se encontra apoio.
Quem tem saúde não se pode deixar abater.
As melhoras, para os doentes, é só o que posso desejar.